Professor Braz Paulo fala sobre possível fusão entre DEM e PSL

logo-face
logo-face
Professor Braz Paulo fala sobre possível fusão entre DEM e PSL

Nos últimos dias a notícia de uma possível fusão dos partidos Democratas (DEM) e Partido Social Liberal (PSL), formando a maior bancada da Câmara dos Deputados, movimentou o cenário político brasileiro.

Nesta segunda-feira (27), o comentarista do Sistema Clube, Professor Braz Paulo, comentou sobre o assunto e fez uma análise do cenário, inclusive em Minas Gerais.

O professor e comunicador, ressaltou que em sua visão a fusão dos dois partidos faz muito sentido.

“O PSL se ressente da saída do Presidente, que saiu do partido querendo independência e apostava que seria simples criar um partido, coisa que não é. Ao mesmo tempo, o Democratas que tem um histórico de décadas, precisava ganhar uma musculatura, porque havia reduzido seus quadros principalmente no congresso, porém, quando o assunto é governo municipal para o PSL é muito interessante, porque praticamente não tem prefeituras, e os governos municipais são muito buscados quando você está em uma campanha.” Explicou Braz Paulo.

Realizando uma análise em nível estadual, o professor, afirma que a fusão atingirá Minas Gerais em cheio.

“É dada como certa a saída do Zema do Partido Novo, que não vê mais no Romeu Zema o Novo. O que acontece é muito provável, as coisas estão muito direcionadas para que Zema dispute o governo de Minas Gerais pelo Democratas ou pelo partido que nascer dessa união.” Afirmou Braz Paulo.

Ainda seguindo a mesma linha de raciocínio, Braz Paulo destacou um cenário que envolve também o PSD.

“O PSD contava como certa a vinda de Rodrigo Pacheco, justamente para que Pacheco pudesse ser o nome para disputar a presidência, porém, com a fusão do DEM e do PSL, existe uma grande chance que Rodrigo Pacheco fique exatamente onde ele está.” Afirmou o comentarista.

Braz Paulo ainda acrescenta que caso todos esses cenários se concretizem, alguns posicionamentos políticos precisarão ser novamente ‘’embaralhados’’.

“O mais provável é que o pessoal vai se unir na esfera nacional, provavelmente vão defender uma candidatura própria para Presidente, a não ser que tenhamos uma reversão completa do quadro atual que está aí. E que nos municípios mesmo grupos antagônicos estariam liberados para terem seus candidatos ou apoiarem os candidatos que eles quiserem.”

Para finalizar Braz Paulo fez uma breve contextualização do que poderá ocorrer nas próximas eleições caso a fusão e os demais desdobramentos se tornem realidade.

“Dependendo do acordo feito, vamos ver membros do Democratas e do PSL, por exemplo, pedindo votos para o candidato adversário e isso não seria considerado infidelidade partidária porque seriam compromissos assumidos anteriormente.” Explicou.

Braz Paulo também destaca que caso os presidentes dos dois partidos fiquem firmes em relação a essa questão apontada anteriormente visando as eleições estaduais, duas coisas podem acontecer.

“Ou você vai observar o atrito, ou uso do poder desses diretórios sob os municípios, ou teremos aí um bom grupo de pessoas desembarcando tanto do PSL, quanto do Democratas para buscarem novas saídas para disputar as eleições como também para apoiar candidaturas como, por exemplo, a do Kalil que não deve sair do PSD.” Finalizou.

Confira a entrevista na íntegra:

Comentários