Caixão descartado em caçamba revolta moradores

logo-face
logo-face
Caixão descartado em caçamba revolta moradores

O descarte de um caixão em uma caçamba de entulhos revoltou na noite desta segunda-feira (14) em Rio Paranaíba. Um vídeo divulgado em grupos de WhatsApp e enviado para as redações de portais de notícias e canais de TV da região, mostra que um caixão foi jogado em uma caçamba na porta do Cemitério Municipal.

Segundo informações obtidas pela nossa redação, o fato aconteceu na última sexta-feira (11), porém, só foi divulgado nas redes sociais nesta segunda-feira. No vídeo, o morador mostra a urna dentro da caçamba ainda em boas condições.

Nossa redação assim que soube do fato, entrou em contato primeiramente com a Polícia Militar para saber se foi registrado algum boletim de ocorrência sobre o fato. Fomos informados pelo comandante do destacamento na cidade, que eles foram chamaram, porém, não houve o registro do boletim de ocorrência. Ele conta que assim que chegaram no local, a caçamba já havia sido retirada.

Também entramos em contato com o secretário de infraestrutura, transporte e obras do município, Elismar Pereira Campos, onde fomos informados que o caixão já havia sido utilizado há vários anos, porém, só agora que ele foi para o descarte. O responsável pela pasta ainda ressalta que o serviço foi feito de forma inadequada pelo coveiro que é novato no trabalho.

Elismar destacou à nossa redação que ele orientou ao servidor para fazer o descarte correto da urna a partir de agora e que assim que ficaram sabendo do fato, solicitaram a retirada imediata da caçamba. Questionamos como é feito o descarte correto dos restos de caixões que são retirados dos túmulos e o secretário disse que o coveiro deve quebrar a urna e enterrar em uma das áreas de descarte do município.

É importante salientar ainda que após seis anos, os familiares podem solicitar que o túmulo seja aberto para enterrar outro ente e assim, os restos mortais de quem estava sepultado é colocado num recipiente e deixado dentro do túmulo.

Texto: Gilberto Martins

Comentários